Tribunal de Justiça da UE determina: Bancos devem devolver aos clientes todas as despesas cobradas “abusivamente”

0

O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) considera que um juiz nacional não pode negar a um cliente o reembolso dos valores pagos por cláusulas abusivas, a menos que a lei nacional exija o pagamento total ou parcial dessas despesas.

O TJUE publicou, esta quinta-feira, uma decisão na qual aborda 15 questões preliminares submetidas por dois tribunais espanhóis, de Maiorca e Ceuta, relativas à abertura, cancelamento e outros elementos dos contratos hipotecários, vanaçam os media espanhóis.

Para este tribunal, as cláusulas de hipoteca, e especificamente as que estabelecem taxas de abertura ou cancelamento, devem ser “claras e compreensíveis” e a sua transparência não pode ser tomada como garantida por padrão.

Se uma cláusula for considerada abusiva e nula, um juiz nacional não poderá negar ao consumidor o reembolso dos valores pagos (a menos que as disposições da lei nacional exijam que os cidadãos paguem a totalidade ou parte dessas despesas).

É legal, se uma cláusula for declarada nula, que um período de tempo limitado seja definido para reivindicações e solicitar a devolução de dinheiro, mas deve ser amplo o suficiente para não impedir o exercício dos direitos do consumidor.

O TJUE opõe-se assim a um regime que permite ao consumidor arcar com parte dos custos legais da reclamação após a nulidade de uma cláusula abusiva, porque isso criaria “um obstáculo significativo que pode desencorajar os consumidores a exercer os seus direitos”.

Importa ressalvar que as disposições da lei nacional podem regular a distribuição dos custos de constituição e cancelamento de hipotecas, se não houver acordo entre as partes. “Se essas disposições colocarem todas ou parte dessas despesas no mutuário, a diretiva não impede que o consumidor seja negado a restituição da parte das referidas despesas que ele próprio deve suportar”, diz a entidade europeia.

No que diz respeito à cláusula que impõe uma comissão de abertura, os juízes salientam que as cláusulas incluídas no conceito de “objeto principal do contrato”, na aceção da Diretiva Europeia, são apenas aquelas que regulam benefícios essenciais.

E “em qualquer caso, um tribunal de um Estado-Membro é obrigado a controlar a natureza clara e compreensível de uma cláusula contratual referente ao objeto principal do contrato, independentemente de o Artigo 4 (2) da Diretiva ter sido ou transposto para o sistema jurídico desse Estado “.

Sendo que o TJUE ressalva que “uma comissão de abertura não pode ser considerada um benefício essencial de um empréstimo hipotecário simplesmente porque está incluído em seu custo total.

Quanto ao desequilíbrio nos direitos e obrigações daqueles que assinam um contrato, nesta sentença, o TJUE decidiu que “uma cláusula em um contrato de empréstimo celebrado entre um consumidor e uma instituição financeira que impõe ao consumidor o pagamento de uma comissão de abertura pode, em detrimento do consumidor, contrariamente aos requisitos de boa fé, causar uma desequilíbrio significativo entre os direitos e obrigações das partes decorrentes do contrato, quando a instituição financeira não demonstrar que esta comissão responde aos serviços realmente prestados e às despesas incorridas, um fim que deve ser verificado pelo juiz nacional”.

Quanto a uma possível limitação no tempo dos efeitos da declaração de nulidade de uma cláusula abusiva, ou seja, até quando um cidadão pode reivindicar o reembolso dos valores já pagos, a decisão também é direta: “a Diretiva Europeia não impede um prazo de prescrição, desde que nem o momento em que esse termo comece a correr nem a sua duração tornem praticamente impossível ou excessivamente difícil exercer o direito de consumidor solicitar esse reembolso “.

Neste julgamento, também foi abordada a distribuição de custos no contexto dos recursos de anulação das cláusulas abusivas. E a mensagem do Luxemburgo é clara: a Diretiva e o “princípio da efetividade” opõem-se a um regime que permite ao cliente “arcar com parte dos custos legais com base na quantia indevidamente paga que lhe é devolvida” após uma anulação por natureza abusiva”.

Fonte: Executive


COLOCAR DÚVIDA

Se tem alguma dúvida que gostaria de nos colocar, preencha este formulário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

nineteen − eleven =